19 de abril de 2015

Sou índia, e daí?


Daí? A sensação que tenho na minha região é de negação e não de afirmação.

Imagem: Fazendo pintura indígena com tinta natural de jenipapo verde, dependendo do PH da pele, perdura até por quinze dias.

Como a maioria sabe, sou paraense cabocla de uma boa mistura:Índio, negro e branco, é literalmente uma "maniçoba" rsrsrsrssr, se você olhar para o rosto de um típico paraense, temos cabelos grossos, maçãs do rosto saliente, lábios roxo e os olhos puxados, traços tipicamente indígena, agora fale para alguém - "você é índio!", a pessoa fecha a cara e se sente ofendido, claro que existe exceção, mas a maioria reage assim. Nunca fiz teste para saber minha origem genética, mas tenho certeza que o meu sangue índio vai gritar!

 
Imagem: Visita na aldeia Prata dos índios Apinajés no encontro de pajés (2014).


Através da Jubiart, tento estimular a cadeia produtiva de artesanato dos Apinajés, porém a venda ainda é muito incipiente. exponho seu artesanato no período de férias e eventos, consumo muito a fibra de tucum nas minhas biojoias. Já levei o Sebrae para viabilizar um diagnóstico para ver a possibilidade deles participarem de feiras, que é um excelente canal para vender o seu artesanato. A dificuldade do contato Sebrae, é a distância da capital Palmas. Enfim, como sempre digo, é trabalho de formiga, e a formiguinha aqui é muito persistente.

Pessoas luz um bom domingo de índio! (Não gosto destas datas pontuais), E uma semana produtiva com muito harmonia!

Bia.

10 de abril de 2015

"Ajeitando aqui e acolá" A Jubiart Chega Lá...


Esse é o tal do "antes e o depois", comigo não funciona muito, porque mudo muito, e sempre, literalmente rsrsrs. 
Não gostava nem um pouco deste chão...


Telhas pintadas, piso novo.


Porta sumindo...


Visual nu e cru (sem porta).


Antiga janela. As meninas? Toda janela que se preze tem gatinhas.


Janela nova, maior e visualmente ficou ótima dos dois lados.



Até as estantes pintei.


 Esta, optei pelo amarelão, um escândalo de cor! Com fundo branco o produto fica em destaque.


Enquanto postava, já acrescentei (não aparece aqui) os espelhos em algumas paredes, nichos com mais peças etc.
O Espaço do Artesão, roupas artesanais/acessórios, e a oficina, ainda finalizando a organização. A fachada a pintura está lenta, mas logo, logo postarei!
Apesar de toda essa reforma o nosso ponto alto, e que nunca mudará: É abrir a porta e tomar a primeira lufada de brisa vinda do nosso rio Tocantins e compartilhar um pouco deste nosso estilo de vida com vocês.


2 de abril de 2015

Ele está chegando... Bookcrossing Blogueiro - 10ª Edição


Oi turma luz! Relaxem, não é a corrente de letras fofinhas no Face (se bem que a minha não é nada fofa rs), esta foi a minha primeira participação no bookcrossing no ano de 2012.


Desde então, participo de todas, e na medida do possível/impossível, visito  os amigos e participantes.


10ª Edição do Bookcrossing é uma vitória e um legado do "Brasil pátria educadora", eu diria "auto educadora", infelizmente na região Norte ela não chega como "prioridade nacional". Parabéns Luma Rosa e parceiros Bookcrossing Blogueiros! A intervenção do cidadão atuante e transformador, é essencial para mudarmos alguma coisa da base para o ápice. 


Este dias vi uma entrevista de uma escritora francesa,  e soube que na França é um dos lugares aonde mais existem livrarias, é uma livraria para cada quatro mil habitantes, pelas minhas contas teríamos umas cinco livrarias na minha cidade de Tocantinópolis - TO. E não temos nenhuma, juro que senti um misto de tristeza e um ponta (grandona rs) de inveja dos franceses.


Os livros que aparecem aqui já foram libertados, e esta penúltima imagem foi a do Bookcrossing de nov/2014, ele acabou sendo um grande evento na cidade, entramos pela noite, além dos livros e revistas que libertamos, a comunidade trouxe mais... Sinto que só precisamos de uma fagulha para criarmos uma labareda, temos fome de saberes, de leituras e muita vezes não temos acesso. Desapegar e libertar um livro, é acender, atiçar a curiosidade de uma viagem sem volta para o nosso conhecimento.


Nesta 10º edição teremos de novo um local e data para libertar um livro, vamos inaugurar o novo "Espaço Viver Jubiart" dia 18 de abril, e celebrar a 10ª edição do Bookcrossing Blogueiro.


Acesse informações também a aqui  http://luzdeluma.blogspot.com.br/
A Luma Rosa é a luz deste grande movimento,  e participar deste, sempre é uma oportunidade  de compartilhar de algo que você leu e gostou. Vamos? Entre nesta corrente literária movimentada e libertária!


29 de março de 2015

Fábulas da Vida Real


Era uma vez um pequeno negócio, em uma pequena cidade, poderia até ser fábula, mas não tenho o talento de Marina Colasanti. Independente do local, o consumidor gosta de novidade, sempre mudo a ambientação da loja de dois e dois meses, e quase todo ano vou fazendo pequenas e retroativas reformas, buscando os traços originais da estrutura da casa (têm mais de oitenta anos). O piso até o momento foi a única busca frustada, a cerâmica antiga, feita de barro, não é mais produzida na região. Nem sob encomenda.


A porta trocamos ano passado, as janelas somente este ano, além da madeira de lei ser cara, há dificuldade de acha-la seca e de origem certificada, encontramos a madeira angelim pedra (pesadíssima), fizemos no modelo  da antiga janela, se abre em duas abas, na imagem sendo instalada.
Administrar reforma não é fácil, porém acho prazeroso, pesquisar, transformar, mudar e ver que o resultado final está valendo muito! Não sei você, mas fico ansiosa, querendo ver tudo pronto, limpo e no lugar, mas a pressa é inimiga da... Vamos devagar rs.



Era uma vez uma casa amarelada pelo tempo na beira de um rio,
sozinha, escura e triste...
Encontrou uma menina sonhadora que viu uma réstia de luz,
da luz se fez a cor, o calor, e o aconchego.
Hoje a casa feliz respira, tem personalidade e vida própria,
agora todos veem a sua luz, registram imagens e levam
como lembrança da boa energia, e do amor que exala através de história de outra menina quase centenária.

Um ótimo fim de semana para você!

14 de março de 2015

Saudosa Maloca, Maloca Querida...


Compramos a nossa paisagem, ops! Casa, em 2008, na cidade de Tocantinópolis - TO, e ainda pagamos um valor a parte por uma maloca no fundo do imenso quintal (40 metros de fundo), hoje ele já está bem mudado, plantei um ipê que já tem quase seis metro de altura.
Feita ainda de madeira roliça e coberta com a palha da palmeira do babaçu. Chegamos ainda a trocar sua cobertura de palha.


A maloca virou uma agregadora de amigo pensadores (a maioria professores da UFT), o maridón sempre falava "a turma de forasteiro", ninguém era nativo. As celebrações e encontros sempre aconteciam debaixo da maloca.
O nosso terreno é descida de um morro, fizemos uma grande canaleta a longo do muro e próximo da maloca, a escavação fragilizou a vigas principais de apoio e ela caiu, ficamos numa dúvida cruel, construiríamos outra maloca ou algo mais durável, lembrei da parábola dos três porquinhos, deixamos a nossa "alma buscapé" de lado e usamos a razão do terceiro porquinho.  


Decidimos construir um gazebo, que chiqueroso! A maloca virou um gazebo com vários objetivos entre eles, trabalho e lazer.


Da maloca permaneceu um pé de cupuaçu na lateral, e fizemos questão de ter a nossa trempe (fogão de lenha) de volta, sei, sou ainda primitiva, cozinhar lentamente sem pressa e pressão para os amigos tem um outro sabor...
Estamos na fase da pintura do teto e dos tijolinhos, depois decoração (adorooooooo), e vem o paisagismo ao redor, já estou preparando várias mudas de plantas.
A construção ficou no mesmo local da maloca, e dela ficou a boa energia dos amigos que mudaram, buscando outras oportunidades e possibilidades, e os que partiram e viraram um ponto de luz no universo. Sentimos falta deles, mas deixaram histórias, dias alegres, lindas imagens, e bons sentimentos que ficam para sempre no coração.


No fim desta história, percebo que viramos nativos, incorporamos no nosso dia-a-dia as águas do rio Tocantins, e o encantamento de viver numa região rica em biodiversidade, cheia paradoxos econômico e politico (mas isto não é só aqui rs.), e na medida do possível contribuímos com o nosso tempo e trabalho. Temos mil planos para o nosso novo "Espaço de Convivência da Jubiart", já estamos com agendamento de oficina voluntária, e planejando um sarau com uma poetisa da terra (surpresa)...
A "saudosa maloca, maloca querida", nos deu asa e voamos!!!


7 de março de 2015

Ser Mulher!

Imagem: Confraria DasZamigas - Festa "Primavera", fim de ano 2014.

Não sou especialista em gênero, ser mulher já foi bem difícil, mas até hoje esse "ser" continua nos dando trabalho, muitos ganhos e muitas perdas... Sempre comento com as zamigas que esqueceram de falar da conquista da mulher para os homens, acumulamos várias funções e a maioria dos homens se acham "o provedor", trabalham fora, dentro de casa são turistas, na nossa região Norte do Brasil, o número de mulheres que estão se tornando provedora, ou como falamos "arrimo de família" são muitas, isto fica claro na estatísticas de mulheres empreendedoras do país, na nossa região as mulheres ultrapassam os homens, e na maioria não é visão de oportunidade de negócio, é pela necessidade de sobrevivência, buscam alternativas no trabalho informal e depois se formalizam.
Você já se perguntou, quem educa esses homens? Pois, somos nós mulheres! É bom refletir sobre.
Tenho amigas com tanta formação/conteúdo que assustam os homens (é o que elas falam), será que o sexo frágil mudou de perfil? Rsrsrsrsrssr.


Em comemoração ao dia Internacional da Mulher, nesta próxima sexta-feira, a Secretaria e Conselho Municipal da Mulher de Tocantinópolis - TO, estará promovendo "O Dia da Beleza" com várias ações o dia todo, entre elas, faremos uma oficina de biojoias através Jubiart.
Todos os dias somos mulheres universais, parabéns para você que faz parte deste universo!!!


24 de fevereiro de 2015

Poder! Basta querer


mudar ou transformar... Essa mesa que pode ser uma escrivaninha ou aparador estava na rua para o carro de lixo levar.


Levei para Sr. Manuel, o marceneiro, ele falou-me que nem existe mais marceneiro na nossa cidade que faça este tipo de trabalho das pernas do aparador. Trocamos o tampo, a madeira estava muito deteriorada pelo cupim, em alguma áreas foi passado massa, depois lixei.


Depois do lixamento, passei o selador, esses produtos são tóxicos, aconselho a usar máscara (casa de ferreiro espeto de pau rsrssr), detesto usá-la, por isto saio da oficina para o ar livre. Dica: Use o selador e tinta aos poucos numa latinha, isto evita que solvente/volátil  evapore e a tinta engrosse e seque rápido. 


Comecei a pintar pelos fundos com tinta esmalte sintético azul mar, foram duas demãos de tinta azul mar.


A gavetinha pintei fora e dentro.
A limpeza dos pincéis fiz com thinner. Dica: Pinceis depois de limpos para não ficarem ásperos/ressecado, dilua um pouco de amaciante de roupa na água e deixe de molho por uma hora e seque.


Dentro da gaveta havia umas canaletas de tubo PVC cortadas ao meio e coladas com durepox, encardida pelo tempo de uso e com um acabamento horrível! Solução? Peguei um tecidinho fofo e


forrei, ficou visualmente mais leve.


E claro dei um toque "Jubiart", fiz um berloque com fio de tucum (para algum gato brincalhão, não arrebentar de jeito nenhum), sementes e coco babaçu fatiado ainda verde, por isto a cor clara.


O berloque é removível.


Não resisti, fiz uma tela abstrata "azuis", azulei tudo rsrsrsrssr.


O nosso espaço é pequeno. Na lista de espera para restaurar temos: Um baú, uma máquina antiga de costura e uma roca. Um dos valores imensuráveis do fazer com as mãos: Demanda tempo, boas energias e muitooooooooooo amor.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Copyright © 2010/2012 / JUBIART.
Template customizado por Meri Pellens.Tecnologia do Blogger.
Voltar ao topo